UMA MULHER DE ORAÇÃO

Minha foto
RIO DE JANEIRO, RJ, Brazil

Colossenses 4:2

Perseverai em oração, velando nela com ação de graças;

Provérbios 15:29

O SENHOR está longe dos ímpios, mas a oração dos justos escutará.

Atos 1:14

Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos.

Romanos 12:12

Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;

Salmos 5:3

Pela manhã ouvirás a minha voz, ó SENHOR; pela manhã apresentarei a ti a minha oração, e vigiarei.

sábado, 17 de dezembro de 2011




Você ouve o seu esposo?




Todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.” – Tiago 1:19.

Quando temos pouca disposição para ouvir nosso cônjuge transmitimos a impressão de que o que ele pensa e sente não são tão importantes para nós. E assim, quem não quer ouvir se aborrece e quem quer falar se sente desvalorizado e rejeitado. Se isso acontece com você, use um cronômetro mental e procure investir mais tempo para ouvir seu cônjuge de duas formas:
Por meio dos ouvidos (você ouve o que ele está dizendo) e pelo coração (o que ele está sentindo). Desenvolva a habilidade de ouvir seu cônjuge com interesse. Pare o que está fazendo e preste atenção no que ele está dizendo, ainda que você esteja assistindo seu programa favorito na televisão, ou seu seriado predileto (risos). Demonstre atenção por meio dos olhos e da expressão facial e corporal. Ele vai se sentir amado, valorizado, compreendido, aceito e apoiado. 

Essa atitude, ouvir mais e falar menos, vale por mil “eu te amo!”. Se, de repente, não for possível ouvir o outro naquele momento, diga-lhe: “Eu sinto muito não poder dar a atenção que você merece agora, mas a gente pode conversar melhor tal hora.” A esposa que escuta o marido atinge um excelente nível de segurança e satisfação no relacionamento. Pois, a liberdade de falar com amor, proporcionará ao casal uma comunicação plena e saudável.


  Se eu estava namorando um não-cristão antes de ser salva, preciso terminar com ele agora que aceitei Jesus?
  Bárbara

  Bárbara,
 O apóstolo Paulo nos diz que não deveríamos nos unir a um não-convertido em julgo desigual. Ele também disse que a escuridão não pode verdadeiramente ser companheira da luz (veja 2 Coríntios 6:14). O que Paulo disse não é uma lei, mas é sabedoria, e se você não segue a sabedoria pode sofrer como resultado. Muitas pessoas estão vivendo vidas miseráveis hoje porque seguiram suas emoções em vez da sabedoria de Deus. Sabedoria nos conduz a uma vida autoconfiante, silenciosa e tranqüila. Mas o que me der ouvidos com atenção (sabedoria) habitará em segurança, confiança e tranqüilidade, sem medo ou pavor do mal (Provérbios 1:33). Agir de forma insensata, no entanto, conduz ao caos e à destruição.
  Quando amamos e desejamos alguém, queremos sempre acreditar que essa pessoa vai mudar, mas recomendo que você veja o fruto da mudança antes de fazer qualquer compromisso permanente com o homem em questão. É insensato somente assumir que a pessoa vai mudar após se ter feito um compromisso permanente com ela.

  Deus pode nos usar para conduzir não-convertidos para Ele, e por essa razão não devemos evitar totalmente de nos relacionarmos com essas pessoas. Minha diretriz pessoal para gastar tempo com não-convertidos é esta: eu me certifico de que os estou influenciando de maneira positiva e que eles não estão me contagiando em um caminho negativo.

  Nosso ministério no mundo é um dos que reconcilia os ímpios com Cristo. Mas todas as coisas provêm de Deus, O qual, através de Jesus Cristo, nos reconciliou consigo mesmo [nos recebeu em favor, nos levou para a harmonia consigo mesmo] e nos deu o ministério de reconciliação [que pela palavra e oração podemos almejar trazer outros para a harmonia com Ele] (2 Coríntios 5:18).

  Recomendo-lhe que deixe sua posição clara. Permita que o cavalheiro saiba sobre seu novo relacionamento com Jesus e em Quem você crê. Não se comprometa somente para mantê-lo feliz. Proceda com cautela e se empenhe em seguir o Espírito Santo nessa questão. Ele nos conduz em paz e sabedoria. Ele pode querer usar você para conduzir essa pessoa para Jesus, mas, se em qualquer momento você perder a paz ou sentir que as decisões que está tomando não são prudentes, deverá romper o relacionamento.

Encontrei Deus No Meu Pior Dia - Michael W. Smith


 "Eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Mt 28:20"


O cantor e compositor Michael W. Smith, nunca mais foi o mesmo desde que Deus o visitou no seu pior dia há 30 anos. Respeitado músico cristão, premiado com três Grammys e mais de 15 milhões em vendas, Smith também conhecido do público brasileiro, passou alguns anos de sua vida sendo "sugado" pelas drogas."Eu achava que poderia brincar com fogo sem ficar queimado, mal eu sabia que seria o maior abismo de minha vida. Sentia-me como se não houvesse maneira de escapar, usava cocaína e LSD”.

Smith tinha acabado de se mudar para Nashville, após abandonar a faculdade para perseguir carreira como músico. Ele tinha paixão por adorar a Deus e sentiu o chamado aos 15 anos: "Foi um momento lindo de minha vida, meu coração estava realmente atrás de obedecer, tudo que eu queria era pegar uma guitarra e cantar canções de louvor". Quando chegou a Nashville,  foi seduzido, tocando em bares por horas e se entregando as drogas.

"Minha bússola desapareceu, entrei nesse mundo totalmente diferente sem perceber que estava indo para baixo, até ser tarde demais. Eu sabia a quem pertencia e simplesmente não conseguia sair da bagunça em que estava".

Após uma experiência de quase morte, clamou a Deus para ajudá-lo deitado no piso de sua cozinha, começou a chorar sem parar, era Novembro de 1979.“O Deus do universo veio e chorou comigo naquele chão, e eu não tenho sido mais a mesma pessoa desde então, tudo mudou”.

Dentro de um ano, Smith conseguiu um trabalho como compositor e logo teve sua própria gravadora: "Eu nunca poderia ter orquestrado nada disso, todo meu passado foi dissipado. A maior paz que tenho é saber quem eu sou. Eu sou um filho do Rei elevado do universo. Minha crise de identidade foi resolvida”.


A Mulher com Fluxo de Sangue





"E disse Jesus:Quem é que me tocou? (Lc 8:45)

Pedro, que estava com Jesus retrucou: " A multidão te aperta e te oprime e dizes: Quem é que me tocou? O que Pedro não entendia era que aquele toque era diferente, especial."Quem me tocou?" Enquanto os demais, movidos por curiosidade, superstição e pensamentos naturais "apertavam e oprimiam Jesus", a mulher, com firmeza e determinação, tocara o coração do Mestre.

Quem sofria com fluxo de sangue era considerado imundo. Não podia tocar nem ser tocado. Até mesmoobjetos, perdiam o valor se tocados por um doente com fluxo, A impureza física era associada a moral e assim eram excluídos do convívio normal da sociedade (Lv 15).

Solidão e conflito

Tocar em Jesus?!Estás louca?!! Certamente esta seria a reação das pessoas se a mulher lhes contasse sua intenção. Ela ouviu falar de Jesus, de seus milagres, do seu amor pelas pessoas...Talvez tenha vibrado de alegria em um lugar solitário da casa : "Vou ficar curada!!Acabou meu sofrimento!!" O evangelho de Mateus relata: "Porque dizia consigo: Se eu tão somente tocar a sua veste, ficarei sã".Mt 9:21. Ela não podia compartilhar sua alegria! Ninguém a compreenderia!.
"Alguém me tocou, então a mulher não podendo ocultar-se, aproximou-se tremendo e, prostrando-se ante Ele declarou-lhe diante de todo o povo a causa por que lhe havia tocado" Lc 8:46.


O medo, sentimento de inferioridade e a vergonha ainda faziam parte de sua vida, mas, ao declarar perante todo o povo que tocara Jesus, vencera a si mesma e a multidão. Creio que antes de tocar Jesus, fora profundamente tocada por Ele. Durante o intervalo em que ouviu falar de Jesus até tocá-Lo, muitas coisas aconteceram na vida da mulher. Ela viveu um processo de cura interior que teria lhe concedido forças em meio a sua fraqueza. O milagre aconteceu porque haviam elementos sobrenaturais movendo os céus. Eram sua fé, arrependimento, determinação. Ela era diferente da multidão.

O Toque na Orla
Em seu encontro com a mulher com fluxo de sangue, as vestes de Jesus eram a de um Israelita obediente a Deus. É que no Livro de Números há uma orientação que deveria ser seguida por todo que desejasse ser santo e agradável a Deus: As vestes deveriam conter franjas nas bordas e um cordão azul. "e as franjas vos serão para que, vendo-as, vos lembreis de todos os mandamentos do Senhor, e os cumprais" Nm 15:39.

Foi exatamente na orla, parte mais significativa da roupa que ela segurou." No verbo Grego ela fez mais que tocar, ela agarrou, pegou " ( Gospel of Lukepag 166). Ela agarrou o que era a representação do Divino, Celeste. Talvez tenha pensado que a pureza da veste lhe purificasse. Há quem diga que havia um misto de superstição e fé no gesto, um equívoco desfeito por Jesus ao falar-lhe : " filha, a tua fé te salvou".

Aprendendo com a Mulher do Fluxo de Sangue
Ela nos ensina que a fé precisa de uma ação. A Bíblia diz: "Sem fé é impossível agradar a Deus"(Hb 11:6) e outra vez diz: " A fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus" Rm 10:17. Ao praticar essas verdades são vencidos os medos, fracassos e tudo mais que porventura nos impediriam de chegar até Jesus. Ele sempre está disposto a transformar vidas, porém, como a multidão, muitas vidas não conseguem alcançar o milagre.

Existiam duas multidões nessa história: Uma próxima a Jesus e outra distante , representada pelos familiares, vizinhos, enfim, todos os que faziam parte do cotidiano da mulher. O que aprendemos? Essas multidões ainda são reais. Da mesma forma, religiosos, fariseus podem nos impedir de alcançar o Reino, também pessoas queridas. A mulher, no entanto tinha muita convicção. O livro de Romanos diz: "De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus " Rm 14:12. Somente nós poderemos tomar essa decisão.

Se você ainda não teve um encontro real com Jesus, lhe convido a fazer como esta mulher. Agarre, segure o Mestre e confesse a Ele tudo o que está em seu ser. Ele pode e quer lhe curar totalmente dando-lhe vida em abundância.

A Parábola do Filho Pródigo


"E disse: Certo homem tinha dois filhos; e o mais moço disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda." Lc 15: 11 e 12 segue até o verso 32.

O filho mais novo via o pai como alguém rude, incapaz de compartilhar de todos os bens, por isso, exige sua parte da herança. A rebeldia, entretanto, estava no filho, que descumprindo a lei judaica, se torna herdeiro antes da morte do pai.

Desperdiça toda herança, fica na miséria. Pobre e infeliz resolve pedir ajuda a um fazendeiro. Pensou encontrar ali abrigo, comida e misericórdia, mas, não foi o que aconteceu. Sentiu fome, frio e solidão, dia após dia."E ninguém lhe dava nada" (v.16)

"E tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!"(v.17)Ele percebeu que o pai era bondoso, generoso até mesmo com os trabalhadores (com quem não tinha parentesco), não seria com ele, filho? Percebeu que os bens materiais não foram capazes de fazê-lo feliz. Entendeu que ninguém o compreenderia tão bem quanto seu Pai.



Quantas pessoas estão passando por problema semelhante? O pai da parábola, representa Deus. Muitos, por não conhecê-lo, julgam-no distante, impiedoso e egoísta. Incapaz de compreender sentimentos, de amar os injustos pecadores. Optam por viver afastados, recebendo apenas "a parte que lhe cabe na herança" (a vida com suas mazelas).

Procuram ajuda nos "fazendeiros" do mundo, que só têm olhos para seus "porcos",ou seja, suas vidas sujas, imundas como um chiqueiro. "fazendeiros" que nada têm a oferecer, porque desconhecem o Pai.

Arrependido, o filho volta para casa. Imagino-o derramando lágrimas durante a viagem. Quantas lembranças do pai...

"Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho. Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, e veste-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés" (versos 21 e 22)

As vestes representam um novo espírito, o anel, uma nova aliança, desta feita, eterna. As sandálias, representam um novo caminho. O filho agora, estava bem abrigado nos braços do Pai.

O Filho mais velho
Recebeu do pai, conforme a lei, uma maior parte da herança (dois terços), enquanto o mais novo(um terço). Nunca deixara a casa do pai, era moderado e cumpria com seus deveres, porém, nunca investira em um relacionamento com o pai. Por isso, não o conhecia. Sua falta de amor era tamanha que sequer consegue chamar "meu irmão" e se refere ao irmão como: "este teu filho" (v.30).

Mesmo tenho muitos bens, faz questão do cabrito matado para festa do irmão: "Nunca me deste um cabrito (V.29). Era egoísta.Esse filho representa os fariseus. A casa do pai, representa o templo, a igreja. Está no templo, não significa necessariamente, conhecer a Deus.

Esse filho também precisa de arrependimento, salvação, encontro íntimo e real com seu pai(Deus). Esse filho ainda não conhece o verdadeiro amor, pois, nunca buscou-o.

A mãe do filho pródigo
Entendo que não por acaso, Jesus contou três parábolas seguidas, presentes em Lucas 15: A parábola da Ovelha Desgarrada, Dracma Perdida e Filho Pródigo. Há semelhança entre as três que se relacionam entre si. Todas falam do resgate do pecador arrependido e da necessidade de arrependimento dos fariseus.

Vejo que na Parábola da Ovelha, o Pastor é Jesus. Na Dracma Perdida, a mãe é a Igreja, a Candeia, O Espírito Santo. No Filho Pródigo- o Pai É Deus. Então: Aqui está o papel da Trindade na salvação do homem.

Jesus É o bom Pastor que deu sua vida pelas ovelhas, seu sacrifício na cruz, redime o homem de todo pecado, conduzindo-o a salvação. A Igreja é representante de Deus, necessita ter o fogo do Espírito Santo, a candeia acesa para ir em busca dos perdidos. Deus está sempre esperando os filhos retornarem para casa, Ele sempre os recebe com alegria e amor. Houve festa no céu na parábola da Ovelha, festa na casa da mulher, na parábola da dracma, festa na casa do filho pródigo.

Então: Sendo a igreja a mãe, a mesma que buscou a dracma, ela está presente na parábola do filho pródigo. Ela é a casa do filho pródigo. Uma casa que manteve a candeia acesa por todo o tempo em que o filho esteve distante. àquele pai, deve ter orado pela volta do filho, derramado lágrimas em suas petições a Deus. É assim que agem os cristãos cheios do Espírito Santo.

O filho mais velho estava sempre em casa(Igreja) só que sua candeia estava apagada. Ele não se alegrou com a volta do irmão, não orava por isso, sequer procurava saber como estava. Ele é o retrato da Igreja inoperante, morta, sem amor pelos perdidos, ou mesmo pelos que já se encontram salvos.

O Caminho
Fiquei muito feliz ao ver Deus confirmar nesse estudo o que me revelara sobre "Os caminhos da esquerda e da direita" (publicado anteriormente sob a tag meditações). Em todas as três parábolas existem os dois caminhos opostos a Deus e os dois tipos de pecadores: O que se arrepende e o que acha que não necessita de arrependimento por se achar justo. Obrigada Senhor!


Enxugue Suas Lágrimas As Margens do Rio Quebar


Deus fez as lágrimas com um propósito muito especial, através delas expressamos os sentimentos mais profundos do nosso ser. Por mais amados que sejamos para Deus, Ele permite passarmos por momentos em que o choro, torna-se inevitável. Davi pronunciou em um de seus Salmos: “Já estou cansado do meu gemido, toda a noite faço nadar a minha cama; molho o meu leito com as minhas lágrimas” Sl 6:6.

A tristeza, contudo, não deve ser senhora de nós, porque ao nos entregarmos as situações de derrota, ficamos impossibilitados de agir com fé. A fé em Cristo Jesus, nos livra de “morrermos na fornalha”: “Então Nabucodonosor se encheu de furor e mudou-se o aspecto de seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abdenego; falou e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer” Dn 3:19.

Parecia uma situação insuportável, invencível. Em nossas vidas, temos momentos assim, em que as provações vêem com força dobrada, e aos olhos naturais, o desânimo pode nos derrubar, antes mesmo de “adentrarmos no fogo”. É só o começo da história, e já confessamos: “Não vou conseguir, não suporto”.  Isto não acontece só com você, acontece comigo e aconteceu com grandes homens de Deus. A fornalha não consumiu a Mesaque, Sadraque e Abdenego, eles saíram sãos e salvos. "Quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti" Is 40:2. Não estamos livres da prova, mas em Jesus, encontraremos ânimo para vencê-la.


Já reguei muitas vitórias, com lágrimas e mais lágrimas. Porém, em meio às circunstâncias, uma Palavra de Deus, um canto de louvor, arrancado do adormecimento da alegria, me fez renovar as forças. O profeta Jeremias, em suas Lamentações declarou: “Já pereceu minha força e a minha esperança no Senhor. Lembra-Te da minha aflição e do meu pranto, do absinto e do fel. Minha alma certamente disto se lembra, e se abate dentro de mim.” Lm 3:19-23.

Você pode imaginar um profeta, ungido, amigo de Deus, fazendo tal declaração? É que não somos os únicos a experimentarmos tristeza e sentimento de fracasso. Pode ser que tenhamos chegado a tal situação por conta de pecado, ou, a exemplo do justo Jó, estamos sendo provados pelo inimigo. Não sei. Tudo que sei é que em qualquer situação Jesus é a solução. Jó, em meio a mais profunda dor, declarou: “Eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim, se levantará de sobre a terra” Jó 19:25

Jeremias, em meio ao caos, entre cadáveres, e destruição por ocasião do cativeiro Babilônico ergue o espírito a Deus e diz: “Bom é o Senhor para os que esperam Por Ele, para a alma que o busca. Bom é ter esperança e aguardar em silêncio a salvação do Senhor” Lm 3:25, 26. Nossa fé, não está firmada em argumentos naturais, porque estes são incapazes de produzir livramento. Do alto, é que vem o socorro. É para lá que devemos voltar nosso olhar.

Ainda que nuvens pesadas, carregadas de nebulosidade, escondam o límpido azul e o brilho do sol. Elas não ficarão lá para sempre. Nosso olhar deve alcançar essa visão impossível. Com os olhos da fé, que revelam o instransponível.  Precisamos, nos levantar do leito molhado, encharcado de lágrimas e nos colocarmos de pé, acima das circunstâncias. Foi isso que Deus ordenou ao profeta Ezequiel: “E disse-me: Filho do homem põe-te em pé e falarei contigo” Ez 2:1

Onde estava Ezequiel nessa hora? “E aconteceu que estando eu no meio dos cativos, junto ao Rio Quebar, se abriram os céus, e eu tive visões de Deus” Ez 1:1. Ele estava no meio dos cativos, entre sofrimento, choro e falta de esperança, mas as margens do Quebar, ousou olhar para o céu e viver as visões de Deus. Ezequiel não deveria se entregar àquelas circunstâncias de derrota, desgraça. Mas buscar força e conforto no Senhor. “Filho do homem, te põe de pé”.  Deus estava dizendo: “Sei que és carne, homem, filho de homem, mas vence Ezequiel, te põe de pé e falarei contigo”. Vence Ezequiel, não se abate, olha além, de tudo que te rodeia, vive as visões que te mostrarei.

E a Palavra diz: “Entrou em mim o espírito e me põs em pé, e ouvi o que me falava” Ez 2:2.  Entregue ao Senhor, Daniel viu o que ninguém mais viu naquele campo de refugiados. Tudo porque seu olhar se elevou ao céu! Seu ser buscou respostas e conforto no alto. Ele não viu desilusão e morte, mas visão de Deus, que lhe dizia ser possível a restauração, um novo começo.

Revestido de forças, Ezequiel foi atalaia para casa de Israel. Ele enxugou suas lágrimas! Extraiu força, de onde parecia não haver. Ele viu céus abertos, enquanto, o odor de cadáveres pairava no ar, o pranto, choro, lamento e murmúrios. Ele foi para as margens do Rio Quebar, olhar o céu, conversar com Deus, buscar alento, no que foi ouvido. Se refugie, às margens do Quebar. Deus é o que enxuga suas lágrimas.

Entoe um cântico novo, uma melodia de agradecimento por todas as vitórias, acrescente o agradecimento, por esta última vitória que você precisa alcançar. Eleve o olhar, se ponha de pé, não se entregue as circunstâncias, porque elas não são maiores que o amor que Deus sente por você. Habacuque, também foi outro grande homem de Deus que viu a seca, e a destruição assolarem sua terra. Ele estava lá, naquela fornalha, aquecida sete vezes, em meio à corrupção, fome... angustiado volta-se para Deus :” Por que me fazes ver a opressão?” Hc 1:3

Deus lhe responde: “Eis que realizo uma obra maravilhosa em vossos dias” HC 1: 5. Como assim, maravilhosa? Não é isto que vejo. A verdade é que não era aquilo que Deus queria que ele visse! Habacuque deveria olhar para “o céu junto ao rio Quebar”, e ver as visões de Deus. Tudo aquilo haveria de passar, e um tempo de paz e prosperidade chegaria. Aquelas circunstâncias, não eram eternas. Habacuque precisaria manter o ânimo, enxugar o pranto.

Enxugue suas lágrimas, há visões de Deus, nas margens do Rio Quebar. O Senhor é a nossa força. Somos apenas homens, falhos e frágeis, mas Ele nos ergue acima das tribulações. Olhe para o céu, não desanime. Tudo haverá de passar, dando lugar a um novo tempo: "Espera no Senhor, anima-te, e Ele fortalecerá o teu coração; espera, pois no Senhor" Sl 27:14.

Em Cristo

Chuva Temporã e Serôdia



"E vós, filhos de Sião, regozijai-vos e alegrai-vos no Senhor vosso Deus, porque Ele vos dará em justa medida a chuva temporã; farei descer no primeiro mês, a temporã e a serôdia" Jl 2:23

Significados: Temporã: Precoce, antes do tempo.
Serôdia: Que vem tarde, tardiamente.

Quando o profeta Joel escreveu sobre a chuva temporã e serôdia, Judá, vivia uma época de grande devastação. Uma enorme praga de locustas, havia aniquilado toda vegetação. Pastagens, tanto de ovelhas como de gado, morreram. Safras perdidas, fome e seca por toda parte.

Deus, através do profeta, convoca o povo ao arrependimento. O mal, sobre Judá, teria vindo por causa do pecado: "Congregai o povo, santificai a congregação, chorem os sacerdotes, ministros do Senhor" Jl 2:15,16.E em meio ao choro, pranto e arrependimento, Deus, envia promessa de abundância. Colheita a tempo e fora de tempo.

Campos devastados em nossas vidas:
Às vezes, estamos assim, vivendo a devastação. Como se uma praga de locustas devorasse nossos sonhos de paz e prosperidade. De repente, sem piedade. Nos tirando da "zona de conforto" Tudo que nossos olhos conseguem alcançar é destruição, tristeza. O que fazer?

Deus, através do profeta, orienta a busca pela restituição. Só o Senhor, pode restaurar os campos. Ele não convoca o povo a prantear pelo que se foi, mas pelo que haveria de vir. A busca, a total entrega a Deus, transformaria os campos: "Vos envio trigo, o mosto, e o azeite, e dele sereis fartos" Jl 2:19.

Ao cair a chuva temporã e serôdia, tudo seria restituído, em "justa medida". Assim é conosco. A chuva, poderá tardar ou vir precocemente, ela, inicia um novo tempo.

A chuva serôdia veio sobre ele:
Jacó: Trabalhou 20 anos para Labão. Este, mudou seu salário dez vezes. Jacó sofreu humilhação, fome, frio, foi roubado e trapaceado. Mas, quando Deus enviou a chuva serôdia sobre ele, Jacó, partiu em direção as promessas. A serôdia superabundou. Os campos outrora áridos se tornaram férteis. Na descendência de Jacó, a restituição, aleluia!! Um novo tempo. Jacó se chamaria Israel, descendência do Senhor. Gn 29,30,31.

Ela, recebeu a temporã:

Maria
: Noiva de José, ainda virgem, acolheu em seu ventre, O Salvador Jesus. Imagino o escândalo que o fato teria causado: "Aquela Maria, parece santa, mas, nem casou e já está grávida". Os olhares, as repreensões os murmurinhos. "a praga de locustas" se apresenta nos relacionamentos de Maria. Entre sua vizinhança, seus familiares, amigos. Como explicar? Como se apresentar a sociedade? Quem acreditaria nessa história de "gerado através do Espírito Santo"? A locusta devorava em meio a chuva temporã. Maria, a mais agraciada, de todas as mulheres, grávida antes do tempo. Os frutos dessa chuva, abundaram para a vida eterna. Jesus, marcaria a humanidade para todo o sempre, passando até a dividir a história em a.c e d.c. Um novo tempo, nasce o Salvador!

Ele sustenta:
Quando Deus envia a temporã e a serôdia, Ele capacita para a colheita. Aleluia!! Ele sustentou Jacó, Maria, sustentará a mim e a você.

Estudar sobre essa passagem do livro de Joel, fortaleceu minha fé. Me fez olhar para algumas "áreas devastadas", com certeza de vasta colheita, no tempo determinado por Ele. Que assim seja para vós, filhos de Sião

O Encontro de Jesus Com Nicodemos

Era noite em Jerusalém, a luz da lua refletia nas pedras que revestiam as ruas da cidade. Soprava um vento frio e havia poucas pessoas pelos becos. Nicodemos, príncipe dos judeus, sabia que próximo a sua casa Jesus estava reunido com os discípulos. Ele especulara durante todo o dia, planejando um encontro com Aquele que lhe causava espanto: Quem era Jesus afinal?

O importante homem da sinagoga calça as sandálias e põe a capa, cobre bem o rosto e segura firmemente o tecido com as mãos à altura do pescoço. Nicodemos estava certo, determinado a tirar todas as suas dúvidas. Caminha apressadamente, olhando para os lados e enfim bate á porta da pequena casa. Lá estava Jesus, rodeado pelos discípulos que O ouviam atentamente.

Nicodemos?! Espantados, alguns olhares se entrelaçam em incertezas: Por quê? O que faz ele aqui? Para dois ou três presentes, não era surpresa a chegada de Nicodemos, eles o haviam orientado sobre dia, hora, local e teor dos encontros.

Sem se importar com os murmurinhos causados por sua chegada, Nicodemos acomoda-se e no momento oportuno revela o motivo de sua ida: “Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.” Jo 3:2. “Jesus respondeu: Na verdade, na verdade, te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” Jo 3:3.

A resposta de Jesus deixa Nicodemos ainda mais confuso. Ele não compreendia a linguagem do alto porque seu espírito estava corrompido pelas muitas letras, pela racionalidade das coisas. Tantos anos estudando as escrituras, ensinando na sinagoga sem nunca ter se detido a “nascer de novo”. Onde estava escrito esses termos? Em que livro, capitulo, versículo? “Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer de novo? Jo 3:4.

“A idade embriológica da gestação é contada a partir da fecundação do óvulo. No entanto, é praticamente impossível a identificação do momento em que ocorreu a fecundação ou a data correta do coito ou da ovulação. Por isso, convencionou-se contar a idade da gravidez a partir de um marco mais fácil de identificar: o primeiro dia do último período menstrual da mulher. Trata-se da idade obstétrica da gravidez.” (fonte)

Jesus falava de um nascimento espiritual, onde brotaria no âmago do ser, no espírito, o fruto da fecundação, do encontro entre Deus e o homem.  Em que momento da vida de Nicodemos ele despertou para Deus? Em que momento da minha e da sua vida, passamos a acreditar em algo maior e superior a reger o universo? Talvez na infância, quem sabe na juventude, talvez seja impossível determinar o despertar da fé, mas certamente existiu um momento em que o “óvulo foi fecundado”.

Nicodemos conhecia em parte. Era um relacionamento superficial, onde a lógica imperava. Ele perguntava e sua mente respondia tudo parecia ir muito bem, até o dia em que percebeu a esterilidade dos seus ensinamentos: Ele continuava infeliz. A Palavra pregada por Jesus era a mesma que Nicodemos lia dia após dia: Moisés libertando os cativos e Deus operando maravilhas no deserto, o que estava errado? “Nicodemos, tu és mestre em Israel e não sabes o que é nascer de novo?” Jo 3:10.

Aquele encontro seria o marco na vida de Nicodemos, o dia da “idade obstétrica”.  Que gravidez tão longa! Nicodemos era um senhor de barba branca, porém criança no Reino!“Na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o Reino de Deus. Aquele que não nascer da água e do espírito não pode entrar no reino de Deus” Jo 3:5.

Jesus mexeu com as entranhas do mestre que pensara conhecer muito bem sobre circuncisão de coração. Então era isso! E como Moisés era um tema conhecido de Nicodemos, Jesus cuida de fazê-lo compreender melhor a mensagem: “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o filho do homem seja levantado. Para que todo aquele que nele crê não pereça mais tenha a vida eterna” Jo 3:14: 15.

Do encontro entre Jesus e Nicodemos surgem os arrebatadores versículos responsáveis pela entrada de muitas pessoas ao Reino. A lição não era apenas para o determinado fariseu que percorreu a escuridão da noite em direção aquele encontro, era para mim e para você, para a eternidade.

Não vejo Nicodemos como um covarde, por se esquivar da fúria de seus contemporâneos, indo ter com Jesus à noite. O vejo como um corajoso homem que venceu a si mesmo e humilhou-se em busca da verdade.  Muitos versículos depois, vamos reencontrar Nicodemos, juntamente com José de Arimatéia preparando o sepultamento de Jesus (Jo 19:38, 42). Ele já, andava na Luz, que é Jesus.

O encontro entre trevas e Luz, Nicodemos e Jesus, traduz a acessibilidade ao Reino: É para todos os que buscam, crêem. O fariseu, de barba grisalha não foi expulso daquela reunião, nem massacrado, nem ouvido com sarcasmo, menosprezado. Jesus o amou, o recebeu por seu, e desvendou-lhe o Reino dos céus.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” Jo 3:16

É assim também conosco. Como estamos, onde e por quê? Jesus se interessa por nós. Simplesmente ama e nos aguarda para uma reunião particular, para um encontro, um marco, que será lembrado como o dia do “novo nascimento”. Aquele em que esquecendo o que para trás ficou, tudo se fez novo (II Cor 5:17).

Nicodemos já não ensinava mais sobre Páscoa como sendo um acontecimento apenas histórico, mas também espiritual, já não era o mesmo. Acredito que ele tenha sido um discípulo frutífero, conduzindo outros ao Reino. Inesquecível aquele encontro! Nicodemos saiu vitorioso! É isso que significa seu nome: em grego Νικοδημος (Nikodemos) que significa "vitória do povo", do grego νικη (Nike) "vitória e"δημος (demos) "o povo" . Todo aquele que tem esse encontro com Jesus, é vitorioso, porque no novo nascimento está o sentido da vida, da morte, da eternidade. É a saída das trevas e a entrada para a Luz, tendo como Senhor e Mestre, Jesus

Vencendo a Ansiedade Com Ajuda de Jesus



Manter-se tranqüilo diante das adversidades é um desafio para todos os homens. Lembro-me das tantas vezes em que estive ansiosa, preocupada, com situações que se resolveram posteriormente na mais perfeita paz. Sofri a toa. Poderia ter escolhido confiar e permanecer em repouso, como um belo pardal saltitando no telhado, entoando um cântico de louvor ao céu. Jesus disse que nenhum desses pequeninos pássaros está distante de seus olhos. Ele tem a conta de cada um. Por que não teria de mim?

Foi quando me preparava para ministrar uma aula sobre o capitulo seis de Mateus (cuidados e inquietações) que recebi de Deus a instrução: “Ansiedade é pecado”. Que descoberta! Não tinha esse item em minha lista de pecados. Mas foi só observar atentamente os versículos para constatar que eu era uma pecadora em potencial, precisava imediatamente me corrigir. Pequenas coisas costumavam tirar meu sossego. Se eu queria tanto agradar a Deus e ser ouvida de forma eficaz em minha caminhada com Cristo, algo tinha que ser feito.


 “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. Por isso, vos digo: Não andeis cuidadosos quanto a vossa vida...” Mt 6:24, 25.

Mamon é um sinônimo de “deus do dinheiro”, também indica um sistema de materialismo. Esse verso é bem conhecido e citado individualmente para designar idolatria. Mas ao prosseguir na leitura, Jesus complementa: “Por isso, não andeis cuidadosos”. Ou seja: “Por este motivo, por esta causa, não andeis cuidadosos quanto a vossa vida”. A ansiedade é uma conseqüência do abandono de Deus. Ela acontece quando supervalorizamos o material em detrimento do espiritual.

A tradução para “andeis cuidadosos” é “merimnao” de “merizo”, que quer dizer “dividir em partes”. A palavra sugere uma distração, uma preocupação. Ao ficar ansioso, eu divido minha mente, minha força, minha adoração com outros que não Deus Único e Verdadeiro. Ao dividir a mente, entrego a vida na mão de “outros senhores”. Uma desobediência, um agravo ao senhorio de Cristo. Porque, se Ele reina em mim, devo ser absolutamente Dele. Se Ele me satisfaz, não há necessidade de estar insatisfeita. Se Ele é tudo para mim, por que vivo como se me faltasse paz?

Alguém diria: Impossível não ficar ansioso! Também já pensei e agi dessa forma, carregando um pesado fardo de coisas que julgava serem pedras, quando não passavam de penas. Mas também, já carreguei pedras que não caberiam em um fardo. Seria necessário um guindaste para removê-las. Graças a Deus e por sua eterna misericórdia, aprendi que não preciso agir como se estivesse sozinha no mundo. Jesus é o que nos dá descanso, e fortalece. Nele é possível encontrar calmaria em meio à tempestade.

É só olhar para Cristo. Em Seu ministério terreno, teve todos os motivos do mundo para estar ansioso e não esteve: Perseguido, caluniado, com a missão de resgatar a humanidade, tendo conhecimento de sua morte e ainda assim, nunca, jamais perdeu a fé e a tranqüilidade. Retirava-se para os montes em longas horas de oração. Poucas horas antes de ser capturado pelo exército romano, Jesus retira-se para o jardim Getsêmani na companhia de seus discípulos e diz para eles: “Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar” Mt 26:36.

Ele nos dá a mais preciosa receita contra a ansiedade: “Vou orar”. Na oração, Jesus encontrou refúgio e força para os dias de angustia Ele passava horas em conversa com o Pai. Nada, absolutamente nada, foi capaz de fazer com que Jesus ficase ansioso. Bem, é verdade que Ele ficou um pouco furioso com uns mercadores no templo e derrubou mercadorias com uma espécie de cordão. Mas isso não constitui ansiedade. Porque esse sentimento maquina a respeito de "impossibilidades" ou de abundantes possibilidades. A atitude de Jesus tem a ver com justiça, pleno dominio de si. Certeza da vontade de Deus. Um servo inteiramente sob o dominio do Senhor.

E por ter vencido todas as imposições do materialismo é que Jesus se oferece como solução para ajudar aqueles que não conseguem se livrar dos fardos, da ansiedade. Ele venceu, até mesmo a morte. O mais angustiante sentimento existente no Universo. Dor para quem vai e para quem fica. Ele venceu e ressurgiu para glória do Deus Pai, e abrigo para os perdidos. Ele mesmo é quem diz: "Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para as vossas almas" Mt 11:28,29.

Não precisamos estar ansiosos. Esse mal tem remédio. Não é um paleativo apenas, é um bálsamo diário para todas as situações. Entremos no jardim do Getsêmani. Oremos sem reservas. Confiando toda nossa mente a Deus. Sem dividir com nada, nem ninguém. Lembram-se do que Jesus falou a Marta? "Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas mas uma só é necessária. Precisas imitar Maria, que escolheu a boa parte" Lc 10:41,42. Enquanto a mente e a presença de Marta se dividia entre a sala, cozinha e outras partes da casa, Maria repousava aos pés de Jesus. Marta correndo afadigada e Maria ouvindo o Mestre, confessando seus medos, aprendendo, sendo edificada, recebendo refrigério.

Marta ansiosa, ainda perguntou; "mestre, não te importas comigo"? A ansiedade sempre procura um culpado. Ela se move na direção dos problemas, não das soluções. O ansioso considera que pensar demais no problema lhe trará a solução. Mas não. Isso só faz com que moinhos de vento se transformem em monstos. Você conhece essa lição contida na obra de Miguel de Cervantes? A fim de proteger a donzela por quem estava apaixonado, Dom Quixote se atira em um moinho de vento, acreditando tratar-se de um monstro de garras destruidoras.

Assim acontece conosco. transformamos moinhos de vento, em monstros e sofremos desesperadamente tentando destruí-los . Deus olha para nós e diz: "Filho, não temas, olha para mim, tenho o controle do moinho, sei a direção do vento, descansa". Em silêncioso clamor respondo: " Preenche-me Senhor, fortalece-me e guarda-me de servir a Mamon".